Siga meu blog por e-mail!

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Como o problema da origem da vida é uma evidência ENORME para a existência de Deus

Um grande problema que cientistas naturalistas (naturalista é aquele que apenas acredita no que é natural, sem nada sobrenatural no meio) enfrentam é explicar a origem da vida de uma forma puramente naturalista, sem ter de cogitar a possibilidade de um criador por trás de toda a vida, como uma divindade, por exemplo. Então, até hoje, NÃO há nenhum modelo válido para a origem da vida e todas as tentativas de simular a origem da primeira vida foram um FRACASSO. Um exemplo bastante notável foi o experimento Miller-Urey, que só simulou pequenas etapas de todo o processo e não chegou a nada conclusivo (https://pt.wikipedia.org/wiki/Experi%C3%AAncia_de_Miller_e_Urey).

Enfim, a "receita da vida" até agora não foi descoberta por ninguém ainda. A receita seria uma combinação de elementos químicos (os quais todos os seres vivos e inanimados possuem) e as condições ambientais (temperatura, pressão, etc.) que favorecem o processo a acontecer. Até aqui, tudo bem científico, certo? Então, se eu dissesse que, em cima deste problema, eu tenho um argumento que evidencia ("evidência" não é o mesmo que "prova", antes que você pergunte) a existência de Deus como ESSENCIAL para que este caso faça sentido? Pois eu digo e tenho. O argumento será exposto logo abaixo:

Face ao dilema de não termos conhecimento da receita da vida, temos 4 opções que podem ser verdadeiras para isso:

1) A receita da vida NÃO EXISTE;
2) A receita da vida EXISTE, mas não é possível de ser descoberta pelos homens;
3) A receita da vida EXISTE, é possível de ser descoberta pelos homens, mas é impossível de ser REPRODUZIDA;
4) A receita da vida EXISTE, é possível de ser descoberta pelos homens e é POSSÍVEL de ser REPRODUZIDA pelos homens um dia.

Com as informações que temos atualmente, não creio que seja possível determinarmos qual das 4 opções é a verdadeira. Então, iremos escolher uma de cada vez e ver aonde chegamos, certo?

Começaremos pela opção 4, que é a mais otimista para os cientistas naturalistas. Aqui, a receita existe, pode ser descoberta e pode ser reproduzida pelos humanos. Então, neste caso, teremos, um dia, uma equipe de cientistas que irá finalmente criar uma vida em laboratório, PROVANDO que a receita da vida é real e pode ser reproduzida. Grande descoberta para a Ciência! Sendo este o caso, o que foi provado aqui? Que a vida surgiu NATURALMENTE (ou espontaneamente, como preferir)? NÃO! A única coisa provada aqui é que, conhecendo a tal receita, vc pode "cozinhar" ela ao você mesmo criar todas as condições para que ela seja cozinhada. No caso, a equipe de cientistas que "cozinhou" a receita. Em outras palavras, esta opção NÃO ajuda a provar origem naturalista do homem, pois apenas provou que a vida pode ser gerada quando alguém cria as devidas condições para isso. Os cientistas precisariam provar que isto tudo teria ocorrido SEM NENHUMA interferência humana, o que julgo impossível. Ou seja, qual é a conclusão que chegamos com isto? Concluímos que um ser, o qual denominaremos de O Grande Cientista, criou a primeira vida no passado. Este Grande Cientista não pode ser nenhum ser vivo da atualidade, pois Ele ainda não havia criado nada ainda, então Ele é o primeiro ser vivo existente. E, como Ele gerou as primeiras vidas, Ele deve ter existido desde o princípio, se tornando um ser anterior a toda a existência, afinal, não acabamos de mostrar que seres MAIS SIMPLES do que este ser não podem ser gerados naturalmente? Muito menos este ser poderia ter sido gerado espontaneamente. Então, a conclusão óbvia é que este ser sempre existiu desde os primórdios do Universo e o ser que mais se aproxima da identidade deste ser é ninguém menos do que... Deus!

Então, o que acontece se a opção 3 for a verdadeira, então? Temos uma receita que existe, mas os homens não conseguem reproduzi-la, o que de novo nos remete ao mesmo Grande Cientista de antes, com o bônus de que Ele é o único capaz de gerar a vida, que normais humanos não são capazes. E se a opção 2 é a verdadeira, a receita será sempre desconhecida e só este mesmo Grande Cientista detém este conhecimento cabal.

Por último, temos a opção 1, que é a mais espetacular de todas. Se a receita simplesmente NÃO EXISTE, então temos, como origem da vida, além do Grande Cientista, temos também Ele como sendo O Grande Criador, capaz de criar vida sem ingredientes (afinal não tem receita). Ou seja, criar a vida DO NADA!

Enfim, o que podemos concluir? O problema da origem da vida tem em torno de quatro opções possíveis e em TODAS AS QUATRO podemos inferir Deus como cientista e criador nelas. Se não for mostrada nenhuma outra opção além destas quatro, temos uma clara TAUTOLOGIA, que é quando, não importa os valores de uma sentença, o resultado é sempre verdadeiro. Ou seja, não importa a opção que é a correta, Deus é VERDADEIRO em todas elas! E este ser aparece aqui, pelo menos, com as seguintes características:

1) Extremamente inteligente: é o primeiro e/ou o único capaz de gerar uma vida, seja a partir do nada ou a partir de outros elementos e não adquiriu este conhecimento de ninguém;
2) Extremamente poderoso: capaz de coexistir desde os primórdios do universo e, possivelmente, tenha criado a vida do nada;
3) Pessoal: ele se prontificou a gerar vidas além Dele mesmo, mesmo sem precisar fazer isso;
4) Eterno: existe desde os primórdios. Aliás, existir nem é o termos mais correto, Ele simplesmente É;

E fechando com chave de ouro, estas características, mais uma vez, só se enquadram no único Deus verdadeiro descrito na Bíblia.