Siga meu blog por e-mail!

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Refutação ao artigo "Nove trechos da Bíblia que fazem apologia à tortura"

Vou direto ao ponto, sem rodeios, refutando o texto situado no link abaixo:

http://www.paulopes.com.br/2015/01/nove-trechos-da-biblia-que-fazem-apologia-da-tortura.html#.V72bjVsrLIU

Enquete do Washington Post-ABC News mostrou que os norte-americanos mais religiosos opinaram que a “técnica avançada de interrogatório” (leia-se tortura) submetida aos suspeitos de terrorismo pela CIA foi justificável, tendo em vista que a segurança nacional corre risco.

Já os norte-americanos menos religiosos, ateus e agnósticos mostraram-se indignados com o tratamento desumano aos suspeitos. A enquete foi feita entre os dias 11 e 14 de dezembro de 2014, com margem de erro 3,5 pontos. Mil pessoas foram consultadas por telefone


Engraçado que a tal enquete parece inexistente no site do Whashington Post, além de eu não ter encontrado menção dela no google que não fosse em blogs como este...


https://www.washingtonpost.com/wp-stat/polls/postpollarchive.html

Fora o fato do mal caráter visível da tal "Pesquisa". A polarização gritante especificada aqui, onde religiosos necessariamente são a favor da tortura e os "menos religiosos" ou não religiosos são contra. Só isso já demonstra um alto grau de mal caratismo aqui, pra não dizer uma farsa, visto que entre os religiosos vc vai encontrar pessoas contra, a favor ou em uma posição intermediária em relação a torturas, e entre não religiosos também. Este artigo já começou mal antes mesmo de realmente começar..

A psicóloga Valerie Tarico, autora de livros sobre crenças religiosas, preferiu abordar outro ponto. 

Para ela, já era esperado que os norte-americanos mais religiosos aprovassem a tortura como método de interrogatório da CIA porque a Bíblia está repleta de justificativas para a violência, muitas ditadas pelo próprio Deus. 

Ela destacou nove trechos bíblicos que pregam a tortura e dor como castigo.


Ou seja, ela já tem a idéia pré-concebida de que este comportamento é esperado e é a partir daí que ela "argumenta". Isto mostra que ela não está baseada em fatos, e, sim, em seu preconceito pessoal. Só isso é alarmante aqui e diz muita coisa sobre o texto. Mas relaxe, eu vou comentar o texto todinho, mesmo assim. Vejamos o "artigo":


1 – Maldição de Eva

Já no começo da Bíblia, Deus amaldiçoa Eva por ela ter experimentado o fruto da Árvore do Conhecimento. O castigo de Deus foi a dor. 

Em Gênesis 3:16 Deus diz à mulher: “Multiplicarei grandemente a tua dor, e atua conceição; com dor darás à luz filhos; e o teu desejo será para o teu marido, e ele te dominará”.

João 16:21 tenta relativizar a dor do parto: “A mulher, quando está para dar à luz, sente tristeza, porque é chegada a sua hora; mas, depois de ter dado à luz a criança, já não se lembra da aflição, pelo prazer de haver nascido um homem no mundo”.



A dor como castigo é universal nas sociedades. Até mesmo as prisões são uma dor e sofrimento e quase ninguém questiona que prisões são importantes para isolar maus elementos da sociedade e impedir que eles cometam crimes contras as pessoas. Colocar dor como "mal" é generalizar, pois existem pessoas que apenas aprendem com a dor. Assim sendo, a dor do parto não é uma tortura, pois é uma dor em um momento específico, que passa e é seguida de júbilo (o texto de João não "relativiza" a dor, a dor ainda existe, logo ela não foi relativizada), pois o alívio da dor seguido da alegria do nascimento da criança compensam. Fora o fato que biologicamente não tem como a mãe não sentir dor: ou ela sente antes dor no parto normal, mas depois tudo passa, ou ela não sente dor na hora, através de cesária, mas depois sente dores PIORES do que as do parto normal. Ou seja, a solução humana é pior do que a natural, mostrando que, mesmo a concepção natural com dores é muito melhor e menos dolorosa do que qualquer solução humana. Assim sendo, mesmo esta "punição" é leve e não é tortura, saindo totalmente do escopo que a autora de forma mal caráter tenta colocar ela. Melhor sorte da próxima vez.

2 – Teste de lealdade

Deus impõe a Jó o sofrimento psicólogo em consequência de uma aposta que fez com Satanás. Sem que fosse avisado disso, Jó virou um joguete dos dois. Deus apostou que Jó lhe permaneceria fiel mesmo na mais cruel adversidade. Assim, a casa de Jó caiu, esmagando seus filhos. Ele se tornou mendigo e, coberto de furúnculos, foi rejeitado pelos seus vizinhos. Deus ganhou a aposta. Jó se manteve fiel e teve de volta seus filhos e riqueza. Por causa desse episódio, até hoje cristãos costumam entender que os sofrimentos são um “teste de fé”. O fato é que, à luz do direito da atualidade, Jó poderia processar Deus e Satanás por danos morais e materiais. 



Mais erros aqui. O episódio de Jó nunca foi uma aposta de Deus com o diabo. Havia uma lição a ser aprendida por Jó e Deus usou uma série de calamidades para lhe ensinar isto. Jó era justo, mas era arrogante e tinha uma vida com Deus superficial, tanto é que ele disse no final do livro que "antes ele conhecia a Deus só de ouvir falar, mas agora ele O via". Existem pessoas que só aprendem com a dor e ela se fez necessária aqui. Vc pode dizer mil vezes pro seu filho não colocar o dedo na tomada e ele vai insistir mil e uma vezes, dependendo do filho, e alguns precisarão levar um choque pra entender o perigo ou ver alguém levando o choque.

"Mas ele perdeu isso, seus filhos morreram, ele ficou doente". Pessoas perdem coisas, a morte chega para todos, cedo ou tarde, e acidentes acontecem. O que foi ruim no caso de Jó é que tudo veio de uma vez. É extremo? Eu concordo, qualquer ser humano com um pingo de bom senso vai considerar as perdas de Jó extremas comparado a outros seres humanos em vários momentos da história. E é isso que temos aqui, um momento extremo ESPECÍFICO com a vida de uma única família. Isso não pode ser usado como argumento para caracterizar Deus como um "torturador", "sádico", etc. Temos uma situação bem específica aqui, apenas não temos dados suficientes pra concluir as reais motivações de Deus aqui. O cristão racional vai entender que, apesar da situação absurda específica aqui, Deus não tem seu caráter ferido pois, na pior das hipóteses, é apenas uma situação única, e confiamos que Ele teve algum motivo muito justo para fazer isso. Dá pra ver isso sem um pingo de fé? Não, mas, pelo menos, sabemos que, mesmo na pior das hipóteses de que este exemplo tenha sido um erro, ele foi apenas um de trilhões ou mais exemplos. Apesar de não acreditarmos que houve erro aqui.

3 – Deus dá ordem para “limpeza étnica”

Em Números 31: 1-35, Deus determina aos hebreus que matassem os midianistas (descendentes de Abraão com Quetura), o que hoje seria uma “limpeza étnica”. Mas Deus abriu uma exceção: as virgens deveriam ser poupadas para que fossem usadas como escravas sexuais. 

Diz Números 31: 17-19: “Agora, pois, matai todo o homem entre as crianças, e matai toda a mulher que conheceu algum homem, deitando-se com ele. Porém, todas as meninas que não conheceram algum homem, deitando-se com ele, deixai-as viver para vós. E alojai-vos sete dias fora do arraial; qualquer que tiver matado alguma pessoa, e qualquer que tiver tocado algum morto, ao terceiro dia, e ao sétimo dia vos purificareis, a vós e a vossos cativos”.

Há aqui, primeiro, a tortura física, a matança (inclusive de crianças), e, segundo, o sofrimento psicológico e físico das mulheres que foram tomadas como escravas sexuais. 

Tarico observou que, embora não possa ser classificado como sadismo no sentido psicossexual clássico, esse episódio mostra a aprovação de Deus à aplicação em vítimas indefesas de sofrimento intenso e repetitivo, para obtenção de gratificação sexual ou ganho pessoal. 

Eu acho hilário como a distorção do texto é totalmente enrustida aqui. Em nenhum momento foi evidenciado, pra começo de história, que as moças virgens iriam ser usadas como escravas sexuais, isto aí foi algo que o autor(a) simplesmente tirou do fundo do baú apenas pra provar seu ponto. Pode procurar, não há nada no texto destacado que aborde isso. Isto mostra, mais uma vez, o mal caratismo do autor, que deliberadamente distorce o texto para realçar o seu ponto. Vamos lá, então:


Os filhos de Israel foram chamados à guerra contra os midianitas. A Bíblia menciona vingança. Se havia vingança, então algo havia sido feito ANTES pelos midianitas contra Israel antes que eles decidissem fazer isso.. E isto é explicado em Números 25:

E Israel deteve-se em Sitim e o povo começou a prostituir-se com as filhas dos moabitas.
Elas convidaram o povo aos sacrifícios dos seus deuses; e o povo comeu, e inclinou-se aos seus deuses.
Juntando-se, pois, Israel a Baal-peor, a ira do Senhor se acendeu contra Israel.
Disse o Senhor a Moisés: Toma todos os cabeças do povo, e enforca-os ao Senhor diante do sol, e o ardor da ira do Senhor se retirará de Israel.
Então Moisés disse aos juízes de Israel: Cada um mate os seus homens que se juntaram a Baal-peor.
E eis que veio um homem dos filhos de Israel, e trouxe a seus irmãos uma midianita, à vista de Moisés, e à vista de toda a congregação dos filhos de Israel, chorando eles diante da tenda da congregação.
Vendo isso Finéias, filho de Eleazar, o filho de Arão, sacerdote, se levantou do meio da congregação, e tomou uma lança na sua mão;
E foi após o homem israelita até à tenda, e os atravessou a ambos, ao homem israelita e à mulher, pelo ventre; então a praga cessou de sobre os filhos de Israel.
E os que morreram daquela praga foram vinte e quatro mil.
Números 25:1-9


Então o que tivemos aqui? As filhas dos moabitas incitaram sexualmente os filhos de Israel. Elas fizeram isso para fazê-los PECAR perante Deus não só na área sexual, como também promoveram sacrifícios aos seus deuses pagãos.

Achou isso besteira? Pois saiba que os tais sacrifícios que estes povos faziam eram, geralmente, sacrifícios de CRIANÇAS PEQUENOS no altar para seus deuses. Tal era os sacrifícios a Moloque e Baal, deuses pagãos dos cananeus. Fora a sujeira sexual que elas fizeram os hebreus caírem. Isso tudo foi para destruir a moral hebraica, fazer o povo de Deus ficar impuro, deixando-os completamente envergonhados perante o mundo, enfraquecendo-os de dentro para fora.

"Ah, mas eram MOABITAS! Porque os midianitas que dançaram na história??". Verdade, eram moabitas. Os moabitas, lá atrás, tentaram usar Balaão (lembra o profeta da jumenta? Pois bem, é ele) para amaldiçoar a Israel, mas ele não o fez. Entretanto, outras passagens mostram que Balaão se utilizou de outros meios e ESTE AQUI foi o meio dele: incitar Israel através da prostituição. Tanto é que na referência especificada antes, Balaão foi um dos mortos na guerra contra os midianitas. Fora o fato de que foi encontrada uma moça midianita no meio desta história, ou seja, os moabitas e os midianitas estavam juntos nesta história. Podemos concluir que os midianitas armaram com os moabitas através de Balaão para realizar estes atos contra Israel: já que não podia vencê-los militarmente, optaram por um método mais sujo: moralmente. E isto rendeu uma praga onde morreram milhares de HEBREUS que participaram da prostituição coletiva. Entendeu agora o motivo da guerra??

Falou mais o Senhor a Moisés, dizendo:
Afligireis os midianitas e os ferireis,
Porque eles vos afligiram a vós com os seus enganos com que vos enganaram no caso de Peor, e no caso de Cosbi, filha do príncipe dos midianitas, irmã deles, que foi morta no dia da praga no caso de Peor.
Números 25:16-18

Aqui conclui a narrativa. Nenhuma explicação é mais necessária. Caso queira saber mais, este texto explica esta ocasião melhor:

http://www.bible-facts.info/comentarios/vt/numeros/AeliminicaodosmidianitasCapitulo31.htm

Quanto às moças virgens terem sido poupadas, isto era justamente porque elas eram PURAS, logo não se envolveram na prostituição, já que elas não tinham conhecido varão. Logo, elas foram incorporadas ao povo como moças disponíveis para CASAR, e não como escravas sexuais. Ou vc preferia que elas, que não estavam envolvidas nos atos pecaminosos, merecessem morrer também??

E Moisés disse-lhes: Deixastes viver todas as mulheres?
Eis que estas foram as que, por conselho de Balaão, deram ocasião aos filhos de Israel de transgredir contra o Senhor no caso de Peor; por isso houve aquela praga entre a congregação do Senhor.
Agora, pois, matai todo o homem entre as crianças, e matai toda a mulher que conheceu algum homem, deitando-se com ele.
Porém, todas as meninas que não conheceram algum homem, deitando-se com ele, deixai-as viver para vós.
Números 31:15-18


O texto explica tudo. As moças que não eram virgens que foram mortas foram as que, aconselhadas pro Balaão, promoveram aquela prostituição generalizada que quase acabou com Israel. As crianças homens morreram porque eles não iriam aceitar de bom grado serem conquistados por Israel e iriam crescer e trair Israel, por isso crianças homens eram mortas. As mulheres foram incorporadas ao povo, nas regras das servas estrangeiras. Mais detalhes aqui:

https://bibleapologetics.wordpress.com/slavery-in-the-bible-25/ (texto excelente mostrando que não havia nenhuma escravidão forçada em Israel mesmo naquela época)

Em suma, foi um ataque escuso dos midianitas através dos moabitas, e eles foram punidos pelo que fizeram. Nada de limpeza racial aqui. Melhor sorte da próxima vez.

4 – Demonstração de força

No empenho de Moisés para libertar o seu povo da escravidão, no Egito, Deus demonstra a sua vocação para torturador, além de vingativo. 

Mesmo depois de o Faraó prometer libertar os israelitas, Deus decide castigar a população egípcia, sem poupar crianças e mulheres. 

Diz Êxodo 7: 3-5: “Eu, porém, endurecerei o coração de Faraó, e multiplicarei na terra do Egito os meus sinais e as minhas maravilhas. Faraó, pois, não vos ouvirá; e eu porei minha mão sobre o Egito, e tirarei meus exércitos, meu povo, os filhos de Israel, da terra do Egito, com grandes juízos. Então os egípcios saberão que eu sou o Senhor, quando estender a minha mão sobre o Egito, e tirar os filhos de Israel do meio deles”.

O que se segue é um conjunto de perversidade contra os egípcios que preenche páginas da Bíblia. 

As dez pragas que castigaram toda a população são: a água potável se transformou em sangue, rãs e sapos se espalharam por toda a região, piolhos atacaram homens e animais, o mesmo fizeram moscas, uma peste matou milhares de animais, homens e animais foram cobertos de pústulas, chuvas de granizo destruíram plantações, uma nuvem de gafanhoto atacou as plantações, uma tempestade de areia encobriu o sol por três dias, e os primogênitos de homens e de animais foram mortos. 

Foi uma demonstração de força de Deus, porque, já que é tão poderoso, ele poderia ter providenciado uma solução benevolente para a libertação dos israelitas, sem impor aos egípcios tanto sofrimento. 

Tarico escreveu que a perversidade divina teve o requinte de matar crianças para causar maior angústia aos seus pais. 



Sim, foi uma demonstração de força, mas foi contra um faraó que se achava O PRÓPRIO DEUS e humilhava e escravizava Israel em prol disso. Ele tinha que ser humilhado SIM.

Agora, quando a bíblia fala em endurecer o coração do faraó, não quer dizer que Deus manipulou faraó para que ele fosse teimoso: faraó já era teimoso e de coração endurecido! Deus apenas forçou mais aquilo que ele já era! Ou vc acha que um sujeito que humilhava uma nação a trabalhos forçadas SEM SALÁRIO iria simplesmente deixar eles saírem só porque Moisés pediu com jeitinho??

A prova disso é que ele voltava atrás nas várias vezes em que ele PROMETIA que iria deixar eles irem:

Prometeu:
E Faraó chamou a Moisés e a Arão, e disse: Rogai ao Senhor que tire as rãs de mim e do meu povo; depois deixarei ir o povo, para que sacrifiquem ao Senhor.
Êxodo 8:8


Não cumpriu:
Vendo, pois, Faraó que havia descanso, endureceu o seu coração, e não os ouviu, como o Senhor tinha dito.
Êxodo 8:15


Prometeu:
Então chamou Faraó a Moisés e a Arão, e disse: Ide, e sacrificai ao vosso Deus nesta terra.
E Moisés disse: Não convém que façamos assim, porque sacrificaríamos ao Senhor nosso Deus a abominação dos egípcios; eis que se sacrificássemos a abominação dos egípcios perante os seus olhos, não nos apedrejariam eles?
Deixa-nos ir caminho de três dias ao deserto, para que sacrifiquemos ao Senhor nosso Deus, como ele nos disser.
Então disse Faraó: Deixar-vos-ei ir, para que sacrifiqueis ao Senhor vosso Deus no deserto; somente que, indo, não vades longe; orai também por mim.
Êxodo 8:25-28


Não cumpriu:
Mas endureceu Faraó ainda esta vez seu coração, e não deixou ir o povo.
Êxodo 8:32

Prometeu (ele ainda admitiu que PECOU):
Então Faraó mandou chamar a Moisés e a Arão, e disse-lhes: Esta vez pequei; o Senhor é justo, mas eu e o meu povo ímpios.
Orai ao Senhor (pois que basta) para que não haja mais trovões de Deus nem saraiva; e eu vos deixarei ir, e não ficareis mais aqui.
Êxodo 9:27,28


Não cumpriu:
Vendo Faraó que cessou a chuva, e a saraiva, e os trovões, pecou ainda mais; e endureceu o seu coração, ele e os seus servos.
Assim o coração de Faraó se endureceu, e não deixou ir os filhos de Israel, como o Senhor tinha dito por Moisés.
Êxodo 9:34,35

Preciso de mais exemplos? Repare que quando Deus endurecia, era especificado quando Ele fazia isso. Por exemplo, aqui:

Porém o Senhor endureceu o coração de Faraó, e não os ouviu, como o Senhor tinha dito a Moisés.
Êxodo 9:12

Na maioria das vezes, entretanto, o próprio faraó que era teimoso. Não preciso dizer mais nada.

5 - Tortura como lei

A psicóloga Valerie Tarico argumentou que, quando o povo israelita constituiu seu próprio governo, a violência foi oficializada como método de correção e dissuasão. 

Um homem poderia espancar seu escravo ou escrava, desde que o infeliz sobrevivesse a dois dias.

Diz Êxodo 21: 20-21: “Se alguém ferir a seu servo, ou a sua serva, com pau, e morrer debaixo da sua mão, certamente será castigado; Porém se sobreviver por um ou dois dias, não será castigado, porque é dinheiro seu”.

O Deus de Israel condenou os adúlteros à morte lenta por apedrejamento e em público:

Diz Deuteronômio 17: 5-7: “Então tirarás o homem ou a mulher que fez este malefício, às tuas portas, e apedrejarás o tal homem ou mulher, até que morra. Por boca de duas testemunhas, ou três testemunhas, será morto o que houver de morrer; por boca de uma só testemunha não morrerá. As mãos das testemunhas serão primeiro contra ele, para matá-lo; e depois as mãos de todo o povo; assim tirarás o mal do meio de ti”.

Em Provérbios há em três capítulos a recomendação para que os pais deem surra em seus filhos como método de educação. 

Por exemplo: Provérbios 19:18 diz: “Castiga o teu filho enquanto há esperança, mas não deixes que o teu ânimo se exalte até o matar.”

Quando o texto não poderia ser mais ridículo, eis que ele chega ao cúmulo de misturar tudo em prol de sua ideologia... Mas vamos lá:

Primeiro, ele cita Êxodo 21: 20-21, pegando um versículo isolado fora de seu contexto e criando um espantalho do que Deus verdadeiramente disse.. primeiro que não há menção aqui de castigo corporal, só fala acerca da situação aonde o senhor vier a ferir o seu servo, mas não menciona que ele tem o direito de fazer isso. Segundo que não só ele não pode ser morto, como também ele não pode ter nenhum dano permanente, ou seja, deverá sobreviver INTACTO. Conforme diz abaixo:

Mas se houver morte, então darás vida por vida,
Olho por olho, dente por dente, mão por mão, pé por pé,
Queimadura por queimadura, ferida por ferida, golpe por golpe.
E quando alguém ferir o olho do seu servo, ou o olho da sua serva, e o danificar, o deixará ir livre pelo seu olho.
E se tirar o dente do seu servo, ou o dente da sua serva, o deixará ir livre pelo seu dente.
Êxodo 21:23-27

Ou seja, bastava o servo perder UM DENTE por causa de uma agressão que ele podia ser totalmente livre. Vale salientar que estas regras eram pro servo estrangeiro, nenhum servo hebreu passava por isso. Além disso, o trabalho não era forçado: o servo tinha muitos privilégios, era parte da família e podia até casar com a filha do seu senhor. Este link explica tudo bem melhor:

https://bibleapologetics.wordpress.com/slavery-in-the-bible-25/

Enfim, resolvida esta primeira parte.

Segundo, ele fala do apedrejamento. Ora, esta era uma lei puramente hebraica, não se aplicava a qualquer povo estrangeiro, nem era como a sharia islâmica, que deve ser expandida para o mundo. A lei era dos hebreus e somente para os hebreus. E era rígida, SIM, mas teve um prazo de validade que terminou em Jesus. Lembre-se que estamos lidando com povos tribais, primitivos, logo a legislação não era moderna como a atual, os outros povos vizinhos eram extremamente mais impiedosos comparados ao povo de Israel, fora o fato de suas práticas pagãs envolverem até sacrifícios de crianças no altar, coisa que Deus sempre abominou. Ou seja, pro contexto da época, Israel era um oásis.


Mas, sim, era uma punição severa, mas pra um crime severo. Adultério é um crime, destrói famílias e é como um câncer que contagiava os outros se não fosse dado o exemplo negativo dele. Por isso havia morte rígida pra quem o cometesse. Vale salientar que a morte era pro adúltero e pra adúltera, ou seja, os dois "pombinhos" que cometeram o ato, o que mostra como os judeus, na época de Jesus, eram hipócritas ao levar só a mulher adúltera pra Jesus, não é mesmo?

Enfim, vamos para o terceiro ponto: provérbios fala sobre um conselho de disciplinar filhos com agressão física. Ora, sejamos francos: tem criança que NÃO OUVE de jeito nenhum os pais se eles não apelarem pra castigo corporal. Você dá o castigo, você manda ele não fazer, dá o exemplo correto, e eles continuam errando e ainda desafiam os pais. Quem não é pai não pode entender o quão difícil é educar uma criança. A violência, neste caso, é aceitável, desde que seja apenas o suficiente para que a criança perceba que errou e aprenda com a dor a evitar fazer aquilo de novo. Vale salientar que a punição corporal a filhos NUNCA deve envolver violência excessiva, muito menos a morte, como o texto evidencia. Ou seja, mais uma vez, está desprovada a tal "tortura" aqui.

6 – Tortura como instrumento de vingança

A Bíblia tem várias passagens dá respaldo à vingança por intermédio da violência. 

Talvez a passagem mais bizarra seja a do profeta Eliseu que não gostou de ser chamado de calvo por alguns jovens e providenciou que duas ursas os destroçassem.

Diz Êxodo 2 Reis 2:23-24: “Então subiu dali a Betel; e, subindo ele pelo caminho, uns meninos saíram da cidade, e zombavam dele, e diziam-lhe: Sobe, calvo; sobe, calvo! E, virando-se ele para trás, os viu, e os amaldiçoou no nome do Senhor; então duas ursas saíram do bosque, e despedaçaram quarenta e dois daqueles meninos”.

Desde então não se tem notícia de alguém que tenha ficado tão enfurecido por ser chamado de calvo.

Deus recomenda a vingança mesmo contra animais irracionais, que não têm alma. Não há compaixão, porque, chifrar alguém, um boi tem de ser morto com dor e lentamente.

Diz Êxodo 21:28: “E se algum boi escornear homem ou mulher, que morra, o boi será apedrejado certamente, e a sua carne não se comerá; mas o dono do boi será absolvido”.



O caso de Eliseu é bem simples: ele não foi defendido por Deus meramente por ter sido chamado de calvo. Tal interpretação é de uma idiotice sem tamanho. Primeiro, temos um grupo de  de mais de 40 rapazinhos (JOVENS, não eram crianças) PERSEGUINDO ELE fora da cidade. O profeta estava numa estrada fora da cidade, eles não tinham nem que estar ali, mas não só eles chegaram zombando do profeta, como eles saíram da cidade zombando dele pelas suas costas em uma MULTIDÃO de jovens. Eu não sei vocês, mas se um grupo estivesse me hostilizando pelas minhas costas, eu teria medo pela minha VIDA. Muito menos "menores" hoje em dia tocam terror nas pessoas, roubando e matando, não é verdade? O que esta multidão pretendia fazer com Eliseu não era meramente chamar ele de apelidos.. Eles com certeza o estavam seguindo pra linchá-lo e provavelmente matá-lo longe da cidade, onde não houvessem testemunhas...

Duvida do que eu disse? Leia a passagem:

“Então subiu dali a Betel; e, subindo ele pelo caminho [veja, ele estava na ESTRADA], uns meninos saíram da cidade [jovens homens saíram da cidade, ou seja, foram ao encalço dele], e zombavam dele, e diziam-lhe: Sobe, calvo; sobe, calvo! E, virando-se ele para trás [eles o estavam seguindo pelas costas], os viu, e os amaldiçoou no nome do Senhor; então duas ursas saíram do bosque, e despedaçaram quarenta e dois daqueles meninos ["42 daqueles" significa que eram MAIS do que 42 jovens garotos. Eu não consigo pensar no que teria acontecido com o profeta se estas ursas não tivessem vindo]”.

Ainda acha que foi só por causa de que ele foi chamado de calvo?


Quanto ao exemplo do animal, nem preciso comentar. É um exemplo ridículo.

7 – Ameaça de tortura como intimidação

Aparecem com frequência na Bíblia advertências de que o castigo será terrível àqueles que não se arrependerem de seus pecados ou que não se converterem.

Uma delas feita por Jesus se refere a mutilações. 

Diz Mateus 18:8-9: “Portanto, se a tua mão ou o teu pé te escandalizar, corta-o, e atira-o para longe de ti; melhor te é entrar na vida coxo, ou aleijado, do que, tendo duas mãos ou dois pés, seres lançado no fogo eterno. E, se o teu olho te escandalizar, arranca-o, e atira-o para longe de ti; melhor te é entrar na vida com um só olho, do que, tendo dois olhos, seres lançado no fogo do inferno”.

Mais uma vez, distorções. Jesus disse que era melhor a pessoa perder algo nesta vida, mas se salvar, do que tentar conservar tudo e depois, por isso, se dar mal. A lição aqui é que, às vezes temos que abrir mão de coisas que nos fazem errar (coisas que normalmente NÃO SÃO ERRADAS, assim como não é errado ter olhos ou membros do corpo) em prol do longo prazo, no caso, a vida eterna. Por exemplo, jogar futebol NÃO É ERRADO, mas se Fulano é viciado em futebol, a ponto de perder seus compromissos e de fazer coisas erradas por causa do futebol, é melhor pra ele cortar este "membro" importante de sua vida e ficar correto do que continuar insistindo nisso e se perder e prejudicar os outros. ESTE É O SENTIDO DESTA REFERÊNCIA, NADA MAIS!


8 – Sacrifício humano

A psicóloga Tarico escreveu que o sacrifício de pessoas para obter favores de deuses é certamente tão antigo quanto a humanidade, mas foi na construção do cristianismo que esse tipo de tortura alcançou seu estado de arte, por assim dizer. O Deus hebraico permitiu (ou engendrou) que seu próprio filho, um imaculado, fosse crucificado para supostamente salvar os pecadores. 

E a dor e o sofrimento se tornaram características definidoras da narrativa ortodoxa da salvação cristã. A ponto de a Madre Teresa ter dito a um paciente terminal para aceitar a terrível dor que sentia como “o beijo de Jesus”. Nem Satanás seria tão perverso.

Jesus é o próprio Deus, logo Deus simplesmente sacrificou A SI MESMO para que nenhum de nós morrêssemos em nossos pecados. E disso vc conclui que Deus é torturador? Não preciso explicar o quão ridículo foi este ponto. Não preciso falar mais nada.


9 - Tortura eterna

Aplicar a tortura em uma só momento ou mesmo em vários deles é insuficiente para o Deus bíblico, que manda os pecadores irremediáveis e ímpios para o fogo eterno, o inferno. 

A psicóloga Valerie observou que se trata da mais intensa e prolongada tortura já concebida pela mente doentia de um deus (leia-se também escritores das escrituras sagradas). 

De acordo com Lucas 16:22-24, o rico também tem lugar reservado no inferno, o que revela a ideologia do ressentimento dos cristãos, conforme Nietzsche muito delineou. 

Diz Lucas 16:22-24: “E aconteceu que o mendigo morreu, e foi levado pelos anjos para o seio de Abraão; e morreu também o rico, e foi sepultado. E no inferno, ergueu os olhos, estando em tormentos, e viu ao longe Abraão, e Lázaro no seu seio. E, clamando, disse: Pai Abraão, tem misericórdia de mim, e manda a Lázaro, que molhe na água a ponta do seu dedo e me refresque a língua, porque estou atormentado nesta chama”.

Jesus falou em mais de uma ocasião em “fogo eterno”, de acordo com a Bíblia.

Diz Marcos 9:47-49: “E, se o teu olho te escandalizar, lança-o fora; melhor é para ti entrares no reino de Deus com um só olho do que, tendo dois olhos, seres lançado no fogo do inferno, Onde o seu bicho não morre, e o fogo nunca se apaga. Porque cada um será salgado com fogo, e cada sacrifício será salgado com sal”.

Outra referência ao inferno feita por Jesus aparece em Mateus 25:41: “Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos…”.


Quanta mentira junta. Primeiro que o inferno não está destinado aos ricos, Jesus disse que era difícil pros ricos entrar no Reino dos Céus, mas não que era impossível. E quando ele menciona "ricos", ele fala de pessoas avarentas que amam as riquezas acima de todas as outras coisas. E sabemos que muitos ricos não são assim, certo? Então não há nada a temer aqui..


Segundo que a parte de "cortar a mão", eu já expliquei acima.

Terceiro que a referência de Mateus 25:41 deixa claro algo que este autor propositalmente (ou de forma burra) omitiu: o inferno NÃO FOI CRIADO PARA OS HOMENS: "para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos…" Ou seja, em algum momento, os homens passaram a também integrar o rol do inferno. Será porque os homens são tão moralmente perversos que passaram a merecer uma punição que antes era reservada APENAS para o diabo e seus demônios?? Curioso, né?

Por último, o autor, como um anti-religioso de carteirinha, entra em clássica contradição: ele reclama do inferno, mas com certeza deve reclamar também do problema da existência do mal, que Deus supostamente não faria nada a respeito. Mas o inferno é justamente esta resposta e ele reclama disso também. Logo, nada deixará vocês satisfeitos e eu deduzo que só uma coisa deixaria: que vc fosse deixado em paz fazendo tudo o que quiser sem dar satisfação a ninguém por isso e nunca sendo punido por nada. Porque é o que está nas entrelinhas de quem defende a perversidade do homem. Pode haver um ou dois gatos pingados que não se enquadram neste estereótipo, mas já vi muitos casos que se enquadram sim. Enfim, é uma contradição.

Ah, e vocês tem esta liberdade SIM. Só não podem fugir das consequências do mal uso desta liberdade depois.

E, no entanto, líderes religiosos só lembram de pregar que Jesus defendia o "amor ao próximo". Mas o filho de Deus (tenha ele sido real ou não) não foi tão bonzinho como se afirma hoje. Na atualidade, ele poderia ser acusado de cometer crime contra a humanidade.

Não, ele não pode ser acusado de crimes contra a humanidade. Quem cometeu crimes contra a humanidade foram os muçulmanos com sua ideologia de guerra e morte, os nazistas, os COMUNISTAS e sua ideologia anti religiosa e de morte, e os defensores de "direitos humanos", que poupam o lobo e sacrificam a ovelha, ao poupar criminosos HEDIONDOS com a desculpa de que os mesmos foram "vítimas da sociedade", consequentemente não seriam criminosos. Jesus incomoda justamente porque Ele se opõe a todo este sistema perverso. E é por isso que Ele é tão odiado por vocês e é por isso que vcs odeiam o cristianismo. Simples assim.

Pronto, texto refutado. Obrigado por ler e se você é um dos que acreditam no texto que eu refutei, reveja seus conceitos e tome as críticas aqui como construtivas. Paz do Senhor.